12.3.16

É pelos gestos das pessoas que as conheces, de pouco valem as palavras - repetia a avó. As pessoas podem enganar-te com as palavras. Repara-lhes nas mãos e saberás.

Não há aperto de mão, gesto banal ou carícia profunda, em que não lhes preste atenção. Observa-as atentamente, sente-lhes a fome e a fartura, o frio dos nervos, as linhas, os jeitos e as imperfeições. Se gostar da pessoa, beija-lhe o rosto, mas se for amor por inteiro, comovida, há-de beijar-lhe as mãos.